As Crônicas do Fan Service

AVISO: SPOILERS a seguir dos cinco primeiros livros de As Crônicas de Gelo e Fogo e das sete primeiras temporadas de Game of Thrones.

34482

Cartaz de divulgação da 7ª Temporada de GOT, exibida na HBO.

Lançado em 1996, A Guerra dos Tronos escrito por George R.R. Martin dá inicio a saga das Crônicas de Gelo e Fogo. Seguindo os passos de personagens carismáticos e que ganharam nossa afeição ao longo das páginas como Ned Stark, Daenerys Targaryen, Tyrion Lannister, Jon Snow entre outros, o livro, assim como o autor foram considerados como revitalizadores do gênero de literatura fantástica. Seguido por A Fúria dos Reis em 1998, a Tormenta de Espadas em 2000, O Festim dos Corvos em 2005 até o mais recente lançamento cronológico da série de livros, A Dança dos Dragões em 2011. Intrigas políticas, enredos altamente baseados em eventos históricos reais como a Guerra das Rosas e uma pegada Dark Fantasy profunda, a saga se tornou sucesso absoluto, acabando por fim a gerar uma série de televisão produzida pela HBO em 2011.

Pelas mãos dos produtores David Benioff e D.B. Weiss, o mundo de Martin se viu finalmente no audiovisual. Batizada com o título do primeiro livro da saga, A Game of Thrones, a série seguiu fielmente o enredo do livro em sua primeira temporada. Com o decorrer das temporadas subsequentes, a serie começou por incorporar uma cara própria e seguir cada vez menos o material fonte. O próprio Martin escrevia o roteiro de pelo menos um episódio por temporada até o quarto ano da série. A partir da quinta temporada a série abandonou completamente suas origens, da sexta em diante passou na frente nos eventos cronológicos da saga por conta do sexto livro ainda não ter sido lançado. George Martin afirmou em entrevista que os rumos de ambas as obras iriam seguir caminhos diferentes a partir dali, fora a confirmação de que cerca de vinte personagens mortos na série de TV ainda estariam vivos e bem (obrigado) em seus livros seguintes, além de protagonizarem importantes eventos vindouros.

É inegável dizer que Game of Thrones possui uma produção extraordinária nos quesitos de figurinos, locações e efeitos especiais, sendo um novo patamar no que consiste em shows para televisão. Contudo a produção da HBO peca no que é de mais fundamental numa história: o roteiro. A mais recente temporada foi a mais afetada pela quantidade exorbitante de furos e correria. Talvez o ponto mais alto da série de TV até então, o qual muito provavelmente jamais será superado na própria produção foi o episódio nove da sexta temporada “Battle of the Bastards”. O primor máximo deste episódio está na fotografia e direção dignas de uma superprodução hollywoodiana.

Mas agora voltemos ao problema do roteiro e das discrepâncias entre as duas obras. A Batalha dos Bastardos pode ter sido linda visualmente, mas suas consequências criaram uma bola de neve de fan services, incluindo a morte de um dos únicos personagens da série que é melhor do que sua versão literária, Ramsay Bolton. Como o próprio Ramsay diz em um certo momento da série durante a tortura de Theon Greyjoy a.k.a Fedor: “Se você acha que isso terá um final feliz, você não deve estar prestando atenção.” Esta citação resume completamente o que é a obra de Martin e no momento de covardia de assassinar o melhor personagem da série até então, ou seja, Ramsay, a HBO esqueceu o ensinamento máximo deste “filósofo sádico” e degringolou para apenas agradar o grande público.

A sétima e penúltima temporada de Game of Thrones é ao mesmo tempo o pesadelo dos fãs dos livros e o sonho molhado dos fãs da série. O romance forçado, sem química e “shippado” de Jon e Daenerys apenas comprova o quão desesperados Benioff e Weiss estão por audiência nesse show de fan services dignos de uma fan fic de tumblr. Lady Coração de Pedra, Victarion Greyjoy, Jovem Griff, o Berrante de Joramun e o Berrante do Dragão, a profecia de Azor Ahai, o Grande Outro e diversos outros elementos e personagens importantíssimos e interessantíssimos dos livros foram cortados da adaptação em prol de um enredo mais raso, menos interessante e muito mais vazio de conteúdo e mitologia.

A ultima facada no coração da obra foi a revelação de que Jon Snow é na verdade Aegon Targeryen enquanto o “shipp” entre ele e sua “Dany” se concretizava. Aegon Targeryen, filho mais novo de Rhaegar é na verdade o personagem do Jovem Griff. Victarion Greyjoy veleja sob ordens do irmão, Euron Olho de Corvo (o qual ostenta um belo tapa olho), para pedir a mão de Daenerys em casamento para Euron, mas mancomuna para conquistá-la para si mesmo levando consigo o lendário Berrante do Dragão, o qual segundo as lendas é capaz de controlar dragões. Catelyn Stark foi ressuscitada por Thoros de Myr e agora lidera a companhia da Irmandade Sem Bandeiras sob a alcunha de Lady Coração de Pedra em busca de vingança contra Lannisters, Freys e Boltons, incapaz de falar por sua garganta ter sido cortada muito profundamente. Jon Snow foi assassinado pelos seus irmãos na patrulha da noite e teoriza-se que tenha transferido sua consciência para o lobo gigante Fantasma.

Enquanto que nos livros estes eventos são realizados por diversos personagens diferentes, a série resolveu fundir alguns deles em um só como Jorah Mormont e Jon Connington, Arya Stark e Lady Coração de Pedra e Jon Snow e o Joven Griff. Tais cortes e unificações são feitos tanto para cortar gastos com plots “desnecessários”, quanto para acelerar o passo e encerrar a série em seu auge, de audiência, não de critica.

A oitava e última temporada de Game of Thrones esteia apenas em 2019 com cerca de seis episódios, menos do que o padrão de dez, assim como o correu com a sétima temporada. Uma decisão infeliz dos produtores por executarem plots do roteiro de forma mais corrida do que o usual. Se tornou até mesmo piada na Internet de que os personagens de Game of Thrones contam com teletransporte, podendo cruzar um continente inteiro em menos de um episódio, sendo necessário cinco temporadas até que Daenerys viesse a Westeros. As Crônicas de Gelo e Fogo ainda é previsto dois livros para serem lançados, sendo o próximo Os Ventos de Inverno, sem data anunciada. Esperamos que a série tente pelo menos dar um final digno e não tão bonitinho e previsível como vem se mostrado, além de apreciar as obras de arte que são os livros do velho George e todo esse universo complexo.