7 filmes perturbadores que você não verá na Sessão da Tarde

Filmes são capazes de abrir uma janela à perspectiva humana, seja ao nos tragar em terras fantásticas e distantes, ao nos fazer partilhar e torcer pela vitória de um herói épico, ou ao nos encurtar possibilidades infinitas de dramas entre os protagonistas. Eles são capazes de provocar calafrios nas espinhas de homens adultos ao mesmo tempo em que fomentam a imaginação das crianças. Entretanto, alguns se destacam por um único fator: o choque causado ao público. Nesta lista, selecionamos sete filmes que se tornaram infames ao explorar o lado mais perverso e doentio que nossa criatividade pode permitir.

ATENÇÃO: A LISTA A SEGUIR CONTÉM SPOILERS, ALÉM DE NÃO SER RECOMENDADA A PESSOAS SENSÍVEIS, COM PROBLEMAS CARDÍACOS E/OU ENTUSIASTAS DO CANIBALISMO. VIEWER DESCRIPTION IS ADIVISED.

7: Audition (1999) – Takashi Miike

Sobre o que é: A trama narra a história de um solitário viúvo de meia idade no Japão. Cansado de acordar sozinho todos os dias, nosso protagonista tem uma ideia: realizar uma audição com 30 garotas para um filme. Claro que tudo não passa de uma desculpa para decidir qual das candidatas será sua futura esposa. Parece o plano perfeito, se a escolhida não tivesse um pequeno problema de psicopatia. A vida era difícil antes do Tinder.

Cena mais bizarra: A sequência excruciante de tortura, onde longas agulhas são penetradas nos olhos do nosso querido japonês.

Se passasse na Sessão da Tarde: O viuvão se casaria com a garota, que dessa vez não estaria escondendo um escravo mutilado num saco em seu apartamento.

6: Antichrist (2009) – Lars Von Trier

giphy

Sobre o que é: Talvez o filme mais confuso da lista, Anticristo seria, segundo o diretor, um ensaio sobre depressão profunda. A trama se dá pela luta de um casal que, após perder tragicamente seu único filho, muda-se para uma casa distante da civilização, a fim de superar o trauma.

Cena mais bizarra: A famigerada cena de mutilação sexual, onde a esposa corta seu clitóris com um tesourão de jardineiro, te arrepiará pela eternidade.

Se passasse na Sessão da Tarde: Não que aprove, mas talvez um filme sobre educação sexual não fosse tão mal de se pedir.

5: Funny Games (1997) – Michael Haneke

Sobre o que é: Dois jovens psicopatas invadem a casa de uma família perfeita, forçando-os a realizar uma série de jogos sádicos. Parece comum, não?

Cena mais bizarra: o assassinato da mãe, que vai por fim te convencer de que o propósito deste filme foi destruir qualquer esperança de um final feliz.

Se passasse na Sessão da Tarde: Seria fiel ao nome, tratando de jogos verdadeiramente divertidos. Tipo Jumanji.

4: The Human Centipede (2009) – Tom Six

anigif_enhanced-buzz-6185-1369865180-14

Sobre o que é: O filme mais óbvio de nossa singela compilação, A Centopeia humana é, naturalmente, o mais nojento. Produzido em 2009 e banido de todos os países que possuam vogais no nome, a película consiste num roteiro bastante simples. Duas turistas viajam pela Alemanha, um pneu fura, duas turistas deixam o carro em busca de ajuda, a casa de um cirurgião maluco é encontrada e parece ser a fonte mais sensata e viável de conserto mecânico, duas turistas acabam com as bocas costuradas nos ânus em uma espécie de centopeia e… Bem, o filme é basicamente isso.

Cena mais bizarra: A primeira vez em que a cabeça da centopeia, o turista japonês Katsuro, defeca na boca de sua nova parte baixa, Jenny.

Se passasse na Sessão da Tarde: Seria um filme sobre o Super Centopeia, um super-herói com diversas pernas e que pode alcançar velocidades incríveis que até Deus duvida.

3: À l’intérieur (2007) – Julien Maury

f15f4d81c76863ff150dfb8a879884077f4753c4_hq

Sobre o que é: Ah, a França. País do amor e dos filmes perturbadores, esta não será sua única participação em nossa lista. Definido como “um filme de horror sobre invasão domiciliar” pela Wikipédia inglesa, A Invasora (pt-br) traz a história de uma gestante que, após perder seu marido em um acidente de carro, luta para superar o trauma e conciliar a ideia de tornar-se uma mãe solteira. Tudo muda quando uma misteriosa mulher bate a sua porta, querendo tomar seu filho.

Cena mais bizarra: SPOILER MÁXIMO – A cena final, onde a mulher misteriosa utiliza uma tesoura para cortar a barriga da protagonista e retirar seu bebê, certamente te fará fechar os olhos e cantarolar a música tema daquele programa do R.R. Soares.

Se passasse na Sessão da Tarde: Um belo filme educativo sobre paternidade, reforçando a máxima de que pai (ou mãe) não é quem faz, mas quem cria.

2: Cannibal Holocaust (1980) – Ruggero Deodato

giphy

Sobre o que é: Pode-se argumentar que este é o único filme legitimamente perturbador de nossa lista. O motivo? Violência animal. Pelo menos oito animais foram mortos na produção de “Holocausto Canibal”. Se isso não for o bastante, as cenas de assassinato são tão reais que o diretor acabou no tribunal acusado de homicídio, sendo liberado apenas quando os atores testemunharam em seu favor. Em resumo, o filme é sobre o que acontece quando jovens imbecis decidem gravar um documentário sobre uma tribo canibal.

Cena mais bizarra: O pobre fim de uma tartaruga gigante, que é decepada e cozinhada pelos atores.

Se passasse na Sessão da Tarde: O Holocausto Canibal Brasileiro.

1: Martys (2008) – Pascal Laugier

giphy (1)

Sobre o que é: Olha os franceses dando as graças novamente. Martyrs narra a história de uma jovem traumatizada que, torturada na infância, busca agora vingar-se pelas agressões sofridas. E como atingir sua redenção? Simples, basta fuzilar todo mundo que possa ter sido responsável por sua tortura. O filme acaba se tornando uma bola de neve, desdobrando-se em mais violência e em uma conspiração religiosa sobre um grau elevado de experiência quase morte.

Cena mais bizarra: A cena final, em que Anna é espancada e escalpelada para providenciar aos seus torturadores uma visão sobre a pós-vida é, sem dúvidas, umas das imagens mais chocantes e violentas da história do cinema.

Se passasse na Sessão da Tarde: Todas as cenas gore seriam retiradas, nos deixando com um filme romântico de dois minutos sobre um casal lésbico que se conheceu num orfanato.